Acer Iconia A1-830

Deitámos as mãos ao Iconia A1-830, um tablet de 7,9 polegadas da Acer, detentor de um design de topo e um preço arrebatador. Mas estará ele à altura de uma utilização exigente?

Se à primeira vista, as semelhanças com o iPad mini são inevitáveis, após uma utilização mais atenta, é possível constatar que o Iconia A1 nada tem a ver com o terminal da Apple, sobretudo em termos de performance e qualidade geral do seu ecrã, que é consideravelmente superior neste último.

No entanto, não fosse a inscrição “Acer” figurar na base deste tablet e diria que estava efectivamente a segurar num iPad mini, dadas as suas dimensões e qualidade dos seus acabamentos exteriores. Com uma estrutura robusta e fina, adornada por alumínio na sua traseira e laterais, o Iconia A1 oferece um design soberbo e que eleva em muito a experiência de utilização deste tablet.

Com as dimensões perfeitas para ser utilizado tanto na vertical como na horizontal, o Iconia A1 é extremamente confortável de segurar tanto com uma, como com duas mãos. Os botões de volume e On/Off estão bem situados e, juntamente com os seus cantos arredondados e a combinação de cores branco/prateado, conferem um aspecto distintivo a este tablet que oferece uma portabilidade extremamente elevada.

Já o ecrã de 7.9 polegadas do Acer Iconia A1 está longe de oferecer uma experiência de topo. Com uma resolução de apenas 1024 x 768, este tablet é capaz de produzir imagens competentes, mas pouco convincentes, sobretudo quando comparado com os ecrãs retina da Apple ou outros com uma densidade de pixels superior. De facto, quando fixamos o olhar no ecrã deste tablet, as suas cores parecem ser um pouco esbatidas e a existência de pixels não passa despercebida. Também a sensibilidade ao toque podia ser melhorada, já que muitas vezes os nossos comandos não são assimilados à primeira tentativa.

Em termos de performance, o Iconia A1 oferece o necessário para fazer uma utilização casual e pouco exigente. Equipado com um processador de dois núcleos da Intel a 1,6 GHz, 1 GB de memória RAM e Android 4.2 Jelly Bean, este tablet é ideal para consultar emails, navegar na internet e tirar partido de aplicações pouco exigentes. Isto porque, não raras vezes, ao utilizar várias aplicações em simultâneo, fomos confrontados com alguns solavancos e paragens.

Quer a sua câmara frontal (2 MP), quer traseira (5 MP), estão ajustadas às necessidades de um dispositivo desta natureza, permitindo efectuar vídeochamadas sem qualquer problema e captar imagens com qualidade suficiente para partilhar nas redes sociais.

Outro dos pontos positivos deste tablet é a existência de uma entrada para cartões microSD numa das suas laterais, que permite alargar facilmente o espaço de armazenamento deste modelo (16 GB), tornando mais prático o armazenamento de ficheiros e o consumo de séries, filmes e músicas onde quer estejamos, já que dispensa qualquer sincronização dos nossos ficheiros via cloud e desocupa espaço do dispositivo.

Veredicto

O Acer Iconia A1 é um gato no corpo de um tigre. Competente para uma utilização casual, este tablet possui um design soberbo que é capaz de conjugar eficazmente estilo e ergonomia, mas que deixa muito a desejar no campo da performance e na qualidade do seu ecrã. No entanto, convém lembrar que o Iconia A1 está à venda por 169 euros e que por este preço dificilmente encontraremos um dispositivo que ofereça estas qualidades.

Concluindo, o Acer Iconia A1 é ideal para quem procura portabilidade e design num equipamento imbatível em termos de preço e onde a performance é secundária. Por isso, se têm mais uns euros para gastar, não se irão arrepender se investirem num Nexus 7 (249 euros) ou num iPad mini de primeira geração (299 euros). Caso contrário, este é o vosso tablet. Simples, bonito e acessível.

Sobre Pedro Arede
Pedro Arede
É um entusiasta das novas tendências da tecnologia multimédia, com destaque para o mundo dos gadgets e videojogos. Licenciado em Jornalismo, partilha esta paixão com a do desporto, como atleta de alta competição na modalidade de esgrima.
Artigos de Pedro Arede
Nenhum comentário

Deixar uma resposta