Batman: Arkham Origins

Deitámos as mãos à aguardada prequela dos marcantes Batman: Arkham Asylum e Batman: Arkham City. Sucedendo a este legado de peso, o novo Batman: Arkham Origins oferece uma mecânica em tudo semelhante aos seus antecessores e volta às origens do nosso herói, antes de Gotham City ter caído nas trevas e numa altura em que o Joker e o comissário Gordon ainda eram seus desconhecidos.

Apesar do mapa de Gotham ser essencialmente inspirado no mesmo de Asylum e City, em Arkham Origins podemos percorrer os caminhos de uma cidade menos degradada e de uma ilha totalmente nova para explorar. Arkham Origins leva-nos a seguir as passadas de Batman nos primórdios da sua longa e atribulada carreira de combate ao crime, que assume novos contornos numa fria e escura véspera de Natal em que Bane e Killer Croc decidem capturar o cavaleiro das trevas, juntamente com alguns vilões de segunda linha como Deashot, Shiva, Firefly, Electrocutioner, Deathstroke e Copperhead.

Ser o Batman é do melhor que há. A sensação de nos sentirmos efectivamente na pele do cavaleiro das trevas continua intacta e é um dos pontos altos de Origins. Percorrer as ruas de Gotham e resolver pequenos arrufos de rua, missões paralelas e outros crimes é simplesmente delicioso e oferece uma experiência imersiva ao jogador que, muito provavelmente, acabará por se distrair da história principal só para sentir como é o quotidiano de Batman.

No entanto, existem alguns problemas. Este modelo, que já fora testado de forma brilhante nos títulos anteriores, não acrescenta qualquer novidade de revelo à série e padece, em alguns casos, de alguma falta de cuidado em Batman: Arkham Origins, tanto a nível de construcção de cenários como na resolução demasiado simples dos desafios do Enigma. O sistema de combate, apesar de continuar incrivelmente divertido e eficaz, é agora mais desafiante, mas não oferece a mesma curva de aprendizagem.

Contudo, graças às suas raízes sólidas criadas no passado, Batman: Arkham Origins continua a ser um óptimo jogo. Apesar de serem esperadas mais novidades, a introdução dos modos Predator e Combat no modo campanha foi uma boa ideia e o novo Detective Mode está bem conseguido, à semelhança dos novos gadgets do nosso herói.

Em suma, apesar de oferecer muito poucas novidades à série, acrescentar pouco à história e ter algumas questões pontuais por resolver em termos de mecânicas, Batman: Arkham Origins é um excelente título que só não é melhor por viver à sombra dos seus antecessores.

Contudo, Batman: Arkham Origins tem tudo para ser bem sucedido, já que é uma óptima porta de entrada, tanto para utilizadores que nunca jogaram a série, como para os seus fãs incondicionais que pretendam prolongar a sua experiência de jogo no universo de Batman.

Batman: Arkham Origins está disponível para PC, Xbox 360, PlayStation 3 e Wii U. A versão testada foi para PlayStation 3.

Sobre Pedro Arede
Pedro Arede
É um entusiasta das novas tendências da tecnologia multimédia, com destaque para o mundo dos gadgets e videojogos. Licenciado em Jornalismo, partilha esta paixão com a do desporto, como atleta de alta competição na modalidade de esgrima.
Artigos de Pedro Arede
Nenhum comentário

Deixar uma resposta