Google Chromecast

Anunciado no passado mês de Julho, o Google Chromecast é um pequeno dispositivo em tudo semelhante a uma pen com um terminal HDMI e que é capaz de reproduzir conteúdos em streaming numa televisão, a partir de qualquer smartphone, tablet ou PC, independentemente do sistema operativo utilizado.

O seu terminal HDMI torna possível a ligação directa à televisão, dispensando a utilização de cabos em termos de imagem, já que o Chromecast tem de ser ligado à corrente em todas as situações através de um cabo USB que se liga à televisão ou através do transformador que vem incluído na embalagem.

Apesar da ideia não ser nova (a Apple TV, por exemplo, também inclui este tipo de funcionalidades), o Chromecast destaca-se pela facilidade de utilização e por ser verdadeiramente transversal no que toca à plataforma utilizada. Quer isto dizer que, independentemente de estarmos a utilizar um dispositivo iOS, Android, Windows ou Mac, podemos facilmente reproduzir um vídeo do YouTube, música através do Google Music ou um filme das plataformas Google Video ou Netflix no ecrã da nossa televisão.

O streaming é feito via Wi-Fi e é de configuração fácil e rápida. Mal ligamos o Chromecast à televisão, surge um ecrã com os passos que devemos seguir para começar a “disparar” conteúdos para a nossa TV, sendo que esta pode ser feita no computador ou através de uma aplicação para Android ou iOS. A apontar somente o facto de o dispositivo não guardar as diferentes redes utilizadas quando mudamos o local onde estabelecemos a ligação, sendo necessário introduzir os dados de acesso cada vez que mudamos de rede.

A partir daqui, é deixar o Chromecast fazer a sua magia e usar o smartphone ou tablet para procurar qualquer vídeo do YouTube e reproduzi-lo na televisão, sendo também possível controlá-lo a partir de um computador com o Chrome e de uma extensão que pode ser descarregada gratuitamente na loja de aplicações deste browser. Depois, para fazer a transmissão do conteúdo desejado, basta carregar num pequeno ícone localizado no canto superior direito da aplicação do YouTube ou, no caso do PC, do Chrome.

Em termos de qualidade, o Chromecast oferece uma boa resposta, estando naturalmente dependente da resolução de imagem do vídeo original. Suportando resoluções de até 720p, o Google Chromecast consegue oferecer uma qualidade de som e imagem assinalável, mesmo quando fazemos a transmissão de vídeos em 1080p.

Para além de ocasionais perdas ligação à rede, o Chromecast falha ao não permitir fazer streaming de conteúdos próprios e nas poucas aplicações com as quais oferece compatibilidade, deixando o utilizador praticamente cingido ao YouTube e NetFlix (esta última não está disponível em Portugal) quando está a usar o seu tablet ou smartphone. Já quando utilizamos o computador, os horizontes alargam-se e podemos transmitir para a televisão tudo o que estiver a acontecer no nosso browser, através da extensão dedicada do Google Chrome, que, apesar de ser ainda a versão beta, não ofereceu problemas de maior aquando da sua utilização.

Por outro lado, o facto deste problema ser facilmente contornável com a inclusão de novas aplicações, facilidade de utilização, portabilidade e o seu preço apelativo (35 dólares), tornam o Chromecast num dispositivo extremamente competente e útil, que promete vir a conquistar seguidores.

Só é pena que, para já, só se encontre à venda nos EUA. No entanto, caso queira trazer um Chromecast para Portugal, pode fazê-lo através da Amazon ou eBay, acrescentando os habituais portes de envio.

Sobre Pedro Arede
Pedro Arede
É um entusiasta das novas tendências da tecnologia multimédia, com destaque para o mundo dos gadgets e videojogos. Licenciado em Jornalismo, partilha esta paixão com a do desporto, como atleta de alta competição na modalidade de esgrima.
Artigos de Pedro Arede
Nenhum comentário

Deixar uma resposta