Hyrule Warriors (Wii U)

Hyrule Warriors, para a Nintendo Wii U, é um título de acção e estratégia, com assinatura japonesa, que promete uma nova experiência dentro dos géneros que mistura.

De vez em quando, há jogos assim! Destes que nos puxam de modo indiscutível de volta ao comando, para mais uma sessão. Ou de volta ao início do mapa, onde ainda acreditamos conquistar mais itens. Hyrule Warriors mistura mapas de estratégia conquistados por pontos, vistos na terceira pessoa (ligeiramente acima das personagens), e um modo de combate livre, apoiado por funções de bloqueio de inimigos (target lock) e armas secundárias (dedicadas a determinadas situações).

Este distinto género parece mais complexo quando descrito do que quando jogado! Porque Hyrule Warriors é extremamente fácil de controlar e permite que nos foquemos nos aspectos estratégicos de cada mapa, com uma sequência de eventos e sub-missões para cumprir. Depois acrescem elementos de RPG, tais como a colecção de objectos e itens que podem ser utilizados entre mapas para evoluir as personagens.

Um dos elementos que mais me cativou foi a rapidez com a qual se desenvolve o jogo. Dá um gozo tamanho aviar uma carga de porrada em milhares de pequenos inimigos ao longo do mapa. E uma boa estocada consegue até atingir uma boas dezenas. Ah! O prazer que é vê-los ali espalhados pela arena, prontos a abater pelo pressionar de um botão. Pelo meio deles, existem uns maiores, capitães dos pontos de controlo, que devemos liquidar para conquistar a área e permitir o spawn de forças aliadas. E um boss épico para terminar a festa de cada mapa, claro!

São várias as personagens desbloqueáveis pelo caminho, cada uma com as suas vantagens, que são recomendadas pelo jogo para cada mapa (sendo que podemos sempre optar por qual levar para jogo). E há também um sistema de elementos atribuídos às armas (fogo, água, trovão…), que é igualmente notificado nos menus de jogo, para que a nossa escolha seja a mais correcta. É claro que o benefício vem como que uma sugestão para o jogador explorar as várias personagens e armas, mas as desilusões são difíceis de surgir! A generalidade dos movimentos é de grande satisfação e fácil controlo. Seja nos estilos de combate próximo ou magia, num instante estamos aptos a tirar o máximo proveito do método de combate de qualquer personagem.

Sem recorrer ao guião da história de Hyrule Warriors – não vos quero estragar qualquer surpresa -, este título consegue cativar (e muito) apenas pelo seu factor de “jogo”. Recorro às questões da elevada satisfação no controlo e do divertido elemento de estratégia que estão implementados. A história é boa, garanto-vos. Aliás, a Nintendo tem por costume cumprir muito bem com essa parte e um título com o Link na capa carrega um grande peso nos ombros. Mas, de facto, é nas mecânicas de jogo que Hyrule Warriors mais se destaca. É um desafio constante ao jogador. Entusiasma e recompensa com facilidade. É bom e surpreendente!

Hyrule Warriors é daqueles jogos que, na minha opinião, vende consolas, só pelo simples facto de se basear na sua profunda experiência de jogo (gameplay). É um verdadeiro jogo, de uma ponta à outra, sem depender da história ou das capacidades do hardware.

Sobre Daniel Marinho
Daniel Marinho
Fundador da "Multimédia com Todos"; formado em comunicação social e multimédia; fanático da interactividade digital, dos videojogos e da fotografia.
Artigos de Daniel Marinho
Nenhum comentário

Deixe uma resposta