Murasaki Baby (PSVita)

Murasaki Baby, para a PSVita, é mais uma experiência interactiva do que um videojogo, que tira total proveito das capacidades da consola portátil. As duas zonas de toque, ecrã e traseira, são de utilização permanente e damos por nós a agarrar a consola com as palmas das mãos, em vez de usar apenas os dedos.

Este título contas já com uma quantidade invejável de prémios, de entidades como Eurogamer, IGN e The Guardian. E, de facto, a jogabilidade é um elemento muito bem explorado pelos seus criadores. Mas, nem sempre se agradam gregos e troianos. Embora os visuais baseados em desenho manual sejam muito bem feitos, não são tão apelativos quanto estilos mais digitais. Isto porque também reforçam o ambiente de jogo mais sombrio e, nesse aspecto, encaixam que nem uma luva em Murasaki Baby.

Em termos de som, não esperem por algo que vos leve a ligar umas valentes colunas. Aliás, tenho jogado com o som muito baixo, pelo quão irritantes são certos efeitos. Juntando a isto uma jogabilidade pouco ritmada, o entusiasmo de Murasaki Baby deve ser interpretado pelo desafio proporcionado pela quantidade de diferentes controlos, tais como tocar no painel traseiro para mudar o cenário e as características do nível, arrastar o dedo com precisão pelo ecrã dianteiro ou memorizar as diversas interacções com determinados elementos do mapa.

Para desfrutar de Murasaki Baby é essencial o foco no desafio e na sua jogabilidade, pois o aspecto visual e sonoro pode facilmente desviar a nossa atenção do potencial presente no jogo. Não foi daqueles títulos que me causaram vontade de lá voltar. Experimentei, conheci e arrumei-o na prateleira, ou melhor, no cartão de memória. Quer dizer, nem isso… ficou registado na minha conta e posso descarregá-lo quando quiser. Mas será que quero?

Murasaki Baby está disponível na PlayStation Network, exclusivo para a PSVita.

Sobre Daniel Marinho
Daniel Marinho
Fundador da "Multimédia com Todos"; formado em comunicação social e multimédia; fanático da interactividade digital, dos videojogos e da fotografia.
Artigos de Daniel Marinho
Nenhum comentário

Deixe uma resposta