Sony Action Cam (AS30V)

Concebida para capturar vídeo Full HD em momentos de lazer, desporto e actividades radicais sem preocupações com o bem-estar do nosso equipamento, a Sony Action Cam (modelo AS30V) chegou ao mercado para concorrer directamente com a popular GoPro e oferecer uma solução mais acessível aos utilizadores deste tipo de câmaras. Mas, estará à altura do recado?

As câmaras de acção são cada vez mais populares nos dias que correm e já ninguém franze o sobrolho quando se fala nelas. Registar um vídeo do ponto de vista da “primeira pessoa” do nosso passeio de bicicleta, salto de avião ou sessão de surf passou a ser um feito comum e, por isso mesmo, o aparecimento de novas opções neste campo é mais do que natural.

A Sony Action Cam oferece robustez, leveza (pesa apenas 65 g) e um design aerodinâmico que é capaz, não só de reduzir a resistência do vento, mas também de oferecer a esta câmara uma aparência bastante apelativa. Para além disso, graças à caixa de protecção incluída, é possível registar imagens debaixo de água até cinco metros de profundidade, aceder a todas as funcionalidades do dispositivo sem abrir a caixa e acoplar a Sony Action Cam a diversas superfícies através de uma linha de suportes compatíveis.

Equipada com um Sensor CMOS Exmor R de tipo 1/2,3 (7,77 mm) com retroiluminação e uma lente Carl Zeiss Tessar ultra ampla (170º), a Sony Action Cam é capaz de gravar vídeo em Full HD (1080) a 60, 50, 30 ou 25p e em 720 a 120 ou 60p.

No entanto, se à primeira vista, tudo isto é capaz de oferecer resultados bastante competentes, um olhar mais atento sobre as imagens captadas pela Sony Action Cam mostra-nos as suas fragilidades em termos de imagem e explicam-nos o porquê de ser sensivelmente mais barata do que a já referida GoPro.

De facto, apesar de servir o propósito do utilizador ocasional, as imagens obtidas a partir da Sony Action Cam oferecem bastante ruído, ruído esse que vai aumentando à medida que vamos olhando com atenção para as zonas mais afastadas do centro da nossa imagem. Não é que a imagem seja de todo intolerável, até porque na maior parte dos casos será redimensionada para ser visualizada na web, mas a sua diferença é gritante quando comparada, por exemplo, com uma GoPro Hero3+. Veja aqui um pequeno comparativo.

De frisar ainda que, devido à natureza da sua caixa protectora, houve situações em que esta não resistiu à “tentação” de embaciar aquando de um passeio de bicicleta debaixo do sol.

Onde a Sony Action Cam se destaca pela positiva é no sistema de estabilização de imagem SteadyShot que é capaz de oferecer, permitindo melhorar consideravelmente os resultados das nossas gravações e reduzir as situações de desfocagem. Recorrendo a três botões acessíveis a partir da sua caixa protectora, a Sony Action Cam é um pouco mais fácil de operar do que uma GoPro e oferece funcionalidades Wi-Fi, GPS e conectividade NFC para partilhar dados com outros dispositivos instantaneamente.

Contas feitas, a Sony Action Cam é uma câmara de acção bastante competente, dado o facto de ser capaz de produzir resultados bastante aceitáveis, o seu preço, interface, excelente sistema de estabilização de imagem e funcionalidades incluídas como o GPS integrado e NFC. No entanto, a sua qualidade imagem é inegavelmente inferior à da GoPro Hero3+ (o topo de gama da marca), assumindo-se como um factor determinante quando é chegada a hora de escolher entre as duas.

Resumindo, a aquisição de uma GoPro é a escolha certa a fazer se tiver possibilidade de desembolsar mais alguns euros por uma câmara deste género. Se por outro lado, pretender fazer uma utilização mais ocasional, que tira partido de funcionalidades como o GPS ou o NFC e estiver disposto a sacrificar alguma qualidade de imagem em troco de um preço mais acessível, dê uma hipótese à Sony Action Cam.

Sobre Pedro Arede
Pedro Arede
É um entusiasta das novas tendências da tecnologia multimédia, com destaque para o mundo dos gadgets e videojogos. Licenciado em Jornalismo, partilha esta paixão com a do desporto, como atleta de alta competição na modalidade de esgrima.
Artigos de Pedro Arede
Nenhum comentário

Deixar uma resposta